O compromisso da Igreja com os cristãos no norte do Iraque
Publicado em: 13/08/2014 às 11:53:30  

Milhares de cristãos continuam em fuga rumo ao extremo norte do Iraque por causa dos milicianos do Estado Islâmico do Iraque e do Levante. Quando chegam nas aldeias são acolhidos em casas, escolas, salas de catequese, que, porém, não são suficientes para atender o grande número de refugiados.

 
"Chegam aos milhares, com os carros ou a pé, necessitados de tudo, em uma busca desesperada por um lugar seguro”, explica à Agência Misna mons. Amel Shimon Nona, bispo caldeu de Mosul, que neste momento está comprometido em visitar as aldeias da governadoria de Dahuk, nas montanhas do Curdistão iraquiano. "São regiões – explica o bispo – que parecem ser mais seguras do que a planície de Nínive; por isso milhares de cristãos, mas também Yazidi, vão até lá".
 
Mons. Nona confia na ação de dissuasão dos mísseis americanos contra os jihadistas do Estado islâmico. "Realmente esperamos - disse - que os bombardeios americanos iniciados na semana passada possam deter o avanço". Que o avanço dos milicianos seja interrompido é também o desejo dos centenas de yazidis, que estão em sérios apuros. "Nós tentamos ajudá-los quanto pudermos, acolhendo-os e hospedando-os nas nossas aldeias”, diz o bispo de Mosul.
 
Palavras de condenação com relação ao Isis por sua vez, também vêm do mundo muçulmano. Conforme relatado pela agência Mena, o Grande Mufti do Egito, Shawki Allam, ataca os milicianos do Estado islâmico, acusando-os de "violar todos os princípios do Islã" e advertindo que "este grupo sangrento representa uma ameaça para o Islã e para os muçulmanos em todo o mundo". Seu apelo se dirige, portanto, a todos os árabes para que “lutem contra estes perigos”.
 


Fonte:
www.zenit.org  (12 de Agosto de 2014) © Innovative Media Inc.)
 
URL:
Todos os direitos reservados - Diocese de Bacabal
[IMPRIMIR]